Isabel do Diego (ES)

Quinta-Feira, 29 Setembro20h15 - 21h00Titanic Sur Mer Concertos

Depois de publicar DEPUEBLO, uma estreia onde desdobrou as suas origens com folclore austero e brutalista, Isabel Do Diego, a identidade artística de Juan Diego Calzada, descobriu no seu álbum de estreia as diferentes naturezas musicais que o movem. Na raiz da sua canção estavam os sentimentos musicais da sua Andaluzia natal, mas fecundados com toda a vida poliédrica que o artista da Córdoba experimentou neste tempo e salpicados de sonoridades tão angustiadas quanto divertidas ou prazerosas. Na sua música, havia espaço para gritos e sussurros, ecos melódicos tradicionais ao lado de sonoridades futuristas, ecos rurais e industriais, mensagens e orações heréticas, fantasias sexuais e emoções castas. E muitas batidas, samplers e sintetizadores. Nas suas próprias palavras, DEPUEBLO foi uma provocação para se colocarem de uma forma primitiva, um convite a usar magenta. BESTIA SAGRADA é a sua nova criação, uma monstruosa canção de electrónica sacralizada que dá lugar a este bestiário folclórico, no qual seremos expostos a um universo cheio de iconografias e simbolismos. Com um total de 9 canções, Isabel do Diego abrirá o caminho para uma viagem em torno da vinda, do trabalho e da permanência do BESTIA SAGRADA, como sempre através de um gemido emocional transmutado e electrónico que caracterizará esta banda sonora. O toque final é dado por ‘Cataliza’, uma colaboração espectacular com María Arnal. Isabel Do Diego tira o seu nome do dos seus avós, Isabel e Diego, num acto que pretende ser uma homenagem, sim, mas também uma reivindicação da mistura e igualdade, das personalidades atomizadas que habitam cada um de nós. Tem a coragem musical sem limites, ou o que é o mesmo, a naturalidade artística que manifesta toda a simplicidade e complexidade que o ser humano pode ter, as diferentes realidades que nele dormem, tanto as luminosas como as escuras.